Pular para o conteúdo principal

Diário de San Francisco (III) - Sobre o Trânsito e Gorjetas

Para um brasileiro que nunca tinha ido aos Estados Unidos, existem várias coisas que me impressionaram na cidade.
Primeiramente a organização do trânsito. Os veículos realmente respeitam os pedestres na faixa de segurança, apesar de também os pedestres SÓ atravessam nas faixas de segurança. Na hora de dobrar à esquerda em uma rua de mão dupla, o carro que deseja dobrar fica esperando a sua vez e, após o fluxo de veículos contrário parar (ou o sinal fechar), ele dobra sem problemas. E o legal: NINGUÉM BUZINA! Ainda não ouvi buzinas no trânsito (meus ouvidos agradecem).
Gorjetas: para qualquer coisa que tu faça que dependa de alguém, você deve pagar a gorjeta. Isto é cultural e funciona. Aliás, se tu não fizer isto pode ter certeza que você não será bem atendido por ele depois. O legal foi o meu diálogo com o garçom do pub ontem à noite:
T - Quanto é?
G - 8 dólares
Pego uma nota de 10 e passo para ele
G - Obrigado.

Ou seja, sem stress algum o cara te cobra a gorjeta. Aliás, se tu for pagar com cartão é ainda mais divertido. Os caras te trazem a conta, tu entrega o cartão para o atendente e ele te traz o comprovante para assinares, juntamente com um espaço para colocar o valor da gorjeta (ele já passou o teu cartão e já pegou o comprovante). Tu coloca o valor da gorjeta no comprovante que tu assinou e devolve para o garçom o comprovante (não o cartão). Magicamente, sem passar o cartão novamente, o valor da refeição mais a gorjeta foi debitado do teu cartão. Ainda vou aprender como isto funciona.
À noite, fui para o AP com o belga e o argentino para que eles pudessem lavar a roupa. Lavanderia automática, com um cartão pré-pago. Sistema bem interessante mas demoramos um pouco no AP e saímos para jantar depois das 21h. Antes disto, ainda achei a Cris acordada (ela estava vendo o Planeta Atlântida) no GTalk.
A janta foi a melhor refeição que comi por aqui até agora, no 21st San Francisco Amendment. Um hamburger muito bom.
Depois, voltei para o hotel para colocar o Lost em dia antes de quarta-feira.

Postagens mais visitadas deste blog

Sobre o Terra no FISL 9.0

Fui ao Fórum Internacional de Software Livre (FISL) entre os dias 17 e 19 deste mês como participante em algumas palestras e como funcionário do Terra para esclarecer algumas dúvidas no Stand que lá foi colocado. Percebi que várias pessoas não entendiam o que o Terra estava fazendo lá visto que, na visão deles, o Terra não incentiva o uso do Software Livre nem tenta facilitar a vida dos usuários dos sistemas livres. Fato este percebido nitidamente no Terra TV , que ainda não suporta o sistema Linux. Como muitos me perguntaram isto, e como vi alguns sites na Internet criticando, coloco abaixo as considerações sobre estes pontos: Mais de 90% da infra-estrutura de back-end do Terra tem SL (software livre) como base. As equipes de tecnologia do Terra já apresentaram "bug-reports" e "patches" consistentes para melhorias dos sistemas Postfix, Wordpress, Squid, VFS, NFS, Kernel do Linux e módulos do Apache. Entretanto, foram feitas anonimamente, não citando o nome da empre

Por que apenas 140 caracteres no Twitter?

Li no Blue Bus um artigo de Julio Hungria que explica por quê as mensagens de texto são limitadas a 160 caracteres e por quê o Twitter usa 140. Cultura inútil para que você possa colocar em uma conversa com amigos nerds em uma mesa de bar (sim, porque " os nerds também bebem "). Você já se perguntou por que as mensagens de SMS tem no máximo 160 caracteres (algumas até menos que isso) e por que o Twitter limita em 140? O Los Angeles Times publicou uma matéria sobre o homem que determinou o limite de 160 caracteres e como foi que ele chegou a esse número. Se você pensa que houve uma longa e profunda pesquisa envolvendo engenheiros, está errado. O responsável por estabelecer o máximo de 160 caracteres foi o alemão Friedhelm Hillebrand , que em meados dos anos 80 era chairman de um comitê de serviços de dados na Global System for Mobile Communications , um grupo que formava parâmetros para o mercado global de comunicação mobile. Hillebrand sentou diante de uma

Dez dicas para a festa de confraternização da empresa

Em época de festas de fim-de-ano, muitas empresas costumam fazer suas confraternizações. Assim, seguem 10 dicas de como tratar estas festas de empresas: 1) Não vá 2) Resolveu encarar? Lembre-se: você tem todo o direito de enfiar os dois pés na jaca, beber até virar uma bailarina russa e vomitar aos litros. Mas, na frente do seu chefe e do dono da empresa, não pega bem. 3) Você não vai conquistar a estagiária ensopado de suor, pendurado no lustre e mostrando a bunda. 4) Com 'mé' de graça, a bebedeira não tem limite. Mas seu fígado tem. 5) Não tente se vingar do big boss nesse momento de confraternização - dando uma rasteira no sujeito enquanto ele dança enlouquecido na pista, por exemplo. Sempre há testemunhas. 6) O mesmo vale para quem se aproveita da ausência do cônjuge e resolve mudar de cardápio: isso nunca ficará apenas entre vocês dois, três, quatro... 7) Não é todo mundo que bebe. E são os sóbrios que contarão para a empresa inteira os micos que você pagou