Pular para o conteúdo principal

Sobre Metas e Avaliações de Desempenho

Conversava hoje com um amigo sobre definição de metas e objetivos para empregados.
Comentávamos que muitas empresas definem os objetivos do empregado de uma forma muito errada:
  • Não-mensuráveis: sem uma forma prática de medir o quanto da meta foi atingida
  • Sem prazos: metas que não tem prazo a ser cumprido ou, o que é pior, com um prazo errado
  • Não-funcionais: objetivos sem nenhuma outra função que não seja preencher uma avaliação de desempenho
Sobre este último ponto, vale destacar o que acontece na empresa deste meu amigo.
As metas são semestrais ou anuais. O chefe dele se reune com ele no final de cada avaliação, para que lhe seja dado um feedback sobre o trabalho realizado para cumprir (ou não) cada um dos objetivos propostos.
Além dessa reunião, o chefe dele costuma se reunir a cada 3 meses para verificar o andamento das metas, para que o funcionário saiba se está no caminho certo para atingir o objetivo ou, ainda, dar um puxão-de-orelha para que o objetivo final acabe sendo cumprido.

Comecei a pensar que, quando os gestores tomam este tipo de iniciativa, os funcionários acabam tendo mais motivação, mais respeito pelo seu superior e, ainda, maior noção do que o chefe acha do seu trabalho.
Como já escrevi aqui algumas vezes, um dos principais desafio dos gestores é motivar a sua equipe, e creio que um dos principais pontos para conseguir isto é o diálogo entre o superior e os seus subordinados. Conversas informais ajudam, mas uma conversa formal a cada 3 meses (no máximo), é simplesmente FUNDAMENTAL. Projetos, tarefas, reuniões ou falta de feedback de um superior não é desculpa para que um gestor possa desempenhar esta tarefa, ele não pode esquecer que ele é a cabeça de uma equipe, e corpos-sem-cabeça tendem a ir para rumos diferentes do desejado.
Além disso, uma reunião de feedback não serve apenas para o funcionário, serve também para que o gestor saiba o que os seus comandados acham do trabalho e do comando que ele está realizando.

Postagens mais visitadas deste blog

Sobre o Terra no FISL 9.0

Fui ao Fórum Internacional de Software Livre (FISL) entre os dias 17 e 19 deste mês como participante em algumas palestras e como funcionário do Terra para esclarecer algumas dúvidas no Stand que lá foi colocado. Percebi que várias pessoas não entendiam o que o Terra estava fazendo lá visto que, na visão deles, o Terra não incentiva o uso do Software Livre nem tenta facilitar a vida dos usuários dos sistemas livres. Fato este percebido nitidamente no Terra TV , que ainda não suporta o sistema Linux. Como muitos me perguntaram isto, e como vi alguns sites na Internet criticando, coloco abaixo as considerações sobre estes pontos: Mais de 90% da infra-estrutura de back-end do Terra tem SL (software livre) como base. As equipes de tecnologia do Terra já apresentaram "bug-reports" e "patches" consistentes para melhorias dos sistemas Postfix, Wordpress, Squid, VFS, NFS, Kernel do Linux e módulos do Apache. Entretanto, foram feitas anonimamente, não citando o nome da empre

Por que apenas 140 caracteres no Twitter?

Li no Blue Bus um artigo de Julio Hungria que explica por quê as mensagens de texto são limitadas a 160 caracteres e por quê o Twitter usa 140. Cultura inútil para que você possa colocar em uma conversa com amigos nerds em uma mesa de bar (sim, porque " os nerds também bebem "). Você já se perguntou por que as mensagens de SMS tem no máximo 160 caracteres (algumas até menos que isso) e por que o Twitter limita em 140? O Los Angeles Times publicou uma matéria sobre o homem que determinou o limite de 160 caracteres e como foi que ele chegou a esse número. Se você pensa que houve uma longa e profunda pesquisa envolvendo engenheiros, está errado. O responsável por estabelecer o máximo de 160 caracteres foi o alemão Friedhelm Hillebrand , que em meados dos anos 80 era chairman de um comitê de serviços de dados na Global System for Mobile Communications , um grupo que formava parâmetros para o mercado global de comunicação mobile. Hillebrand sentou diante de uma

Dez dicas para a festa de confraternização da empresa

Em época de festas de fim-de-ano, muitas empresas costumam fazer suas confraternizações. Assim, seguem 10 dicas de como tratar estas festas de empresas: 1) Não vá 2) Resolveu encarar? Lembre-se: você tem todo o direito de enfiar os dois pés na jaca, beber até virar uma bailarina russa e vomitar aos litros. Mas, na frente do seu chefe e do dono da empresa, não pega bem. 3) Você não vai conquistar a estagiária ensopado de suor, pendurado no lustre e mostrando a bunda. 4) Com 'mé' de graça, a bebedeira não tem limite. Mas seu fígado tem. 5) Não tente se vingar do big boss nesse momento de confraternização - dando uma rasteira no sujeito enquanto ele dança enlouquecido na pista, por exemplo. Sempre há testemunhas. 6) O mesmo vale para quem se aproveita da ausência do cônjuge e resolve mudar de cardápio: isso nunca ficará apenas entre vocês dois, três, quatro... 7) Não é todo mundo que bebe. E são os sóbrios que contarão para a empresa inteira os micos que você pagou