Pular para o conteúdo principal

Diário de San Francisco (XVI) O último texto sobre a viagem

Deixei San Francisco com impressão de ter cumprido 95% do que tinha de fazer aqui.
Tirando um pequeno detalhe, quase todas as coisas que tinha de fazer no projeto que estava trabalhando foram realizadas.
Algumas coisas sentirei falta daqui:

  • O pessoal da empresa onde eu estava (pessoas muito simpáticas, atenciosas, profissionais e amigas)
  • O Chatz do café, que quando eu chegava pela manhã nem perguntava o que eu queria e já pegava o copo para fazer um bom Capuccino.
  • O Grego do mercado (que depois descobri que é libanês), que sempre nos atendia com muita simpatia também
  • O Máximo e a "Dinada", um casal de italianos que possui um restaurante chamado Pazzia. O Máximo é o dono e a "Dinada" trabalha lá também. Ela ganhou este apelido porque, quando descobriu que éramos brasileiros, ao falar obrigado ela respondia "Dinada".
  • Atravessar a rua na faixa de segurança e os carros te respeitarem
  • Falar "sorry" e "excuse me"
  • Caminhar TODOS os dias pela Market Street e pela Union Square. Tem a Andradas e a Praça da Alfândega, mas realmente não se compara
  • Ver o Obama todos os dias na TV explicando alguma coisa
  • Subir as escadas da empresa. Não, disto não sentirei falta alguma.
  • Ouvir o " com saudade" dos filhos.
  • Conversas com os taxistas de nacionalidades diferentes (africanos, turcos, árabes, iranianos, brasileiros, etc.)
  • Passear e caminhar pelas ruas à noite sem preocupação em ser assaltado
  • Frio
  • Tomar banho dentro de uma banheira
  • Assistir Lost e House ao vivo na TV

Espero realmente um dia voltar para San Francisco. Enquanto escrevo isto e olho para a cidade, sinto que não é um "adeus" e, sim, um "até logo".

Miami

Uma pena que não conheci a cidade de Miami (apenas o aeroporto), mas já deu para sentir que troquei de país.
Ao invés de inglês, o idioma aqui é espanhol. Ao invés de silêncio, balbúrdia no aeroporto.
Ou seja, estava quase me sentindo em casa!

São Paulo

Primeiro uma fila para mostrar o passaporte, depois tentar achar as malas.
Depois de descobrir que os caras separaram uma das minhas malas e colocaram fora da esteira, fui para a fila da Receita Federal.
Passei lotado pela Receita (não tinha nada a declarar mesmo) e fui levar as minhas malas para a TAM.
Ao colocar a mala, vi que o cara da TAM colocou um lacre em uma das minhas malas. Achei estranho pois tinha cadeado as duas malas. Assim, vi que o departamento de Estado americano achou que a minha mala tinha uma bomba e, assim, resolveu abrir e dar uma olhada. Ainda bem que tinha comprado um cadeado "airport-friendly", e eles só abriram o cadeado, olharam e ainda deram uma arrumada nas minhas coisas.

Porto Alegre

O vôo São Paulo-Porto Alegre para mim foi um bônus. Depois de tanto tempo no aeroporto, parece que só subi e desci. Uma hora é bem tranquilo. Cheguei e fui direto para um churrasco feito pelo meu irmão (obrigado Jones) e tentar recuperar o tempo perdido com os filhos e a família.

Com isto, chega ao fim a série: Diário de San Francisco. Obrigado a todos pela visita no Blog.

Postagens mais visitadas deste blog

Sobre o Terra no FISL 9.0

Fui ao Fórum Internacional de Software Livre (FISL) entre os dias 17 e 19 deste mês como participante em algumas palestras e como funcionário do Terra para esclarecer algumas dúvidas no Stand que lá foi colocado.
Percebi que várias pessoas não entendiam o que o Terra estava fazendo lá visto que, na visão deles, o Terra não incentiva o uso do Software Livre nem tenta facilitar a vida dos usuários dos sistemas livres. Fato este percebido nitidamente no Terra TV, que ainda não suporta o sistema Linux.
Como muitos me perguntaram isto, e como vi alguns sites na Internet criticando, coloco abaixo as considerações sobre estes pontos:
Mais de 90% da infra-estrutura de back-end do Terra tem SL (software livre) como base.As equipes de tecnologia do Terra já apresentaram "bug-reports" e "patches" consistentes para melhorias dos sistemas Postfix, Wordpress, Squid, VFS, NFS, Kernel do Linux e módulos do Apache. Entretanto, foram feitas anonimamente, não citando o nome da empresa.U…

Como se tornar "Mayor" (Prefeito) no Foursquare

O Foursquare é uma rede social e microblogging que permite ao usuário indicar onde se encontra e procurar por contatos seus que estejam próximo desse local. O aspecto legal vem do fato de ser possível acumular distintivos (badges) relativos aos lugares específicos.
Outra coisa legais do Foursquare é a possibilidade de você se tornar "Mayor" (prefeito) de um lugar. Muitas empresas têm criado promoções para os prefeitos de suas lojas (a Starbucks, por exemplo, chega a oferecer descontos para os prefeitos). Entretanto, sempre tive dúvidas de saber como é a regra para se tornar Mayor de um lugar específico. Tinha uma idéia de como era, mas não tinha a explicação oficial.
O Foursquare colocou um post em seu blog explicando como isto é feito (original aqui). Basicamente a regra é a seguinte:


Para se tornar Mayor de um lugar, você precisa ter feito check-in neste lugar em mais dias do que qualquer outro usuário nos últimos dois meses (60 dias).
Apenas um check-in por dia conta, ou …

Por que apenas 140 caracteres no Twitter?

Li no Blue Bus um artigo de Julio Hungria que explica por quê as mensagens de texto são limitadas a 160 caracteres e por quê o Twitter usa 140.
Cultura inútil para que você possa colocar em uma conversa com amigos nerds em uma mesa de bar (sim, porque "os nerds também bebem").

Você já se perguntou por que as mensagens de SMS tem no máximo 160 caracteres (algumas até menos que isso) e por que o Twitter limita em 140?
O Los Angeles Times publicou uma matéria sobre o homem que determinou o limite de 160 caracteres e como foi que ele chegou a esse número.
Se você pensa que houve uma longa e profunda pesquisa envolvendo engenheiros, está errado. O responsável por estabelecer o máximo de 160 caracteres foi o alemãoFriedhelmHillebrand, que em meados dos anos 80 era chairman de um comitê de serviços de dados na Global System for Mobile Communications, um grupo que formava parâmetros para o mercado global de comunicação mobile.
Hillebrand sentou diante de uma máquina de escrever em sua ca…