Pular para o conteúdo principal

Google Developer Day 2008

Abaixo a minha impressão sobre as palestras que assisti no evento Google Developer Day, dia 27/06 em São Paulo.

Google e o Mercado Brasileiro
Por Julio Zaguini

Uma excelente palestra, mostrando a visão do Google sobre o mercado brasileiro e como eles vêem a Internet de maneira geral.
Cito abaixo algumas frases que foram colocadas (algumas meio óbvias), as quais mostram o foco que deve ser dado pelas empresas de Internet nos próximos anos:
  • "Inovação é um processo Colaborativo": mostrando que, na maioria das vezes, a inovação na Internet passa pela mente dos usuários e, não, pela mente dos gerentes de produto
  • "É o indivíduo quem cria conteúdo e define as tendências"
  • "Se o usuário não usa, por que manter um produto?" - Caso do Google Vídeos, por exemplo.
  • "O usuário possui um comportamento multi-facetado" - Tentar entender o usuário baseado apenas no histórico do que ele acessou pode ser um erro.
  • "Nenhum veículo de comunicação morreu até hoje" - Vejam rádio, TV, jornal, etc. Os veículos se complementam.

Visão Geral dos Produtos e Tecnologias Google
Por Paulo Golgher

Palestra introdutória às tecnologias que seriam abordadas no resto do dia: "Client, Cloud Computing, Connectivity & GeoWeb". Foi exposto o que o Google está fazendo para cada uma destas tecnologias:
  • Cloud Computing - Disponibilização do Google App Engine, servidores disponibilizados pelo Google para atender a aplicações criadas para a Internet. A filosofia de venda é: como manter servidores para as novas aplicações pode ser caro, o Google disponibiliza eles gratuitamente enquanto a aplicação não atingir 50M de pageviews mensais. Após isto, possivelmente o desenvolvedor já tem como manter a aplicação e poderia pagar a mais para melhor escalabilidade. Isto ajuda a promover novos negócios que, com o tempo, poderão tornarem-se grandes e manter-se por si só.
  • Connectivity - Aí entra o Android (sistema operacional para celulares), o OpenSocial e o Friend Connect (APIs para redes sociais). mais detalhes nas outras palestras.
  • Client - Disponibilização do Google Gears para extensibilidade do navegador e, com isto, poder desenvolver aplicações com melhor experiência para o usuário. Além disso, muito das tecnologias Google estão sendo incluídas dentro da especificação HTML5 que, como estou acompanhando, está ficando bem completa e possibilitará grandes avanços nas aplicações Web assim que os browser a implantarem.
  • GeoWeb - APIs para o Google Maps/Earth. Interessante ressaltar o desenvolvimento da API do Google Maps para aplicações Flash e, principalmente, da Static Maps API. Esta última para colocação de mapas estáticos nas páginas (uma simples imagem ao invés de colocar o JS inteiro da API), a qual é útil para quem quer apenas mostrar uma localização, pois melhora muito o tempo de carregamento de uma página.

Introdução à Arquitetura Android
Por Dick Wall

Estava curioso para tentar entender o que o Google quer com o Android. O Android é um sistema operacional completo para celulares mas, além disso, ele é uma base para o desenvolvimento de aplicações que, se der certo, irá facilitar muito o desenvolvimento de software para a plataforma mobile, criando um padrão.
A arquitetura foi explicada com detalhes. O Kernel Linux, as bibliotecas, o ambiente runtime (Java), o framework disponibilizado para as aplicações (APIs, serviços, Gtalk, etc) e os aplicativos para a camada superior.
Achei legal o desenvolvimento sobre Eclipse e a utilização de um emulador para testes de aplicação utilizando o QEMU.
Entretanto, com o advento do I-Phone e com a Nokia abrindo o Symbian, não sei se os desenvolvedores conseguirão isto à curto prazo. Pelo visto, ainda seremos dependentes de ter que desenvolver para diferentes sistemas por muito tempo.
Além disso tem o fato de que, com o Android, será difícil para as operadoras manterem os seus celulares bloqueados. Isto é ótimo para os usuários, mas pode não ser um bom negócio para as operadoras.

Gears
Por Dion Almaer

Explicou a arquitetura do Gears para o desenvolvimento de aplicações off-line. Já conhecia um pouco a idéia do Gears, embora não soubesse muito como ele funcionava por baixo.
O anúncio de que ele pode, agora, trabalhar com work-pools fora do Browser é muito bom para evitar a demora no processamento das requisições JS.
O Gears ajuda muito quando estamos off-line e queremos utilizar aplicativos como o Google Reader (leitor de RSS) ou o Google Docs (Edição de Documentos). Entretanto, ainda acho que precisamos verificar se o usuário realmente vai querer utilizar aplicações Web desta forma.

Opensocial e Orkut
Por Chris Schalk

Assiti as palestras do Chris Schalk no primeiro Google Developer Day. Ele é o que o Google chama de "Developer Advocate" (ou "Evangelizador de Desenvolvedores", de acordo com a página do evento). Ele é muito bom em tentar vender formas de utilizar as APIs Google e é um palestrante certo na maioria dos eventos que eles promovem.
Desta vez, ele explicou como o OpenSocial está estruturado e como o Orkut trabalha com as aplicações OpenSocial. Pelo visto, ainda faltam algumas funcionalidades da API que não está totalmente integrada ao Orkut como está em aplicações como o MySpace ou o Hi5.
A boa notícia é que eles devem abrir as aplicações para os usuário do Brasil no mês de Julho.

Postagens mais visitadas deste blog

Sobre o Terra no FISL 9.0

Fui ao Fórum Internacional de Software Livre (FISL) entre os dias 17 e 19 deste mês como participante em algumas palestras e como funcionário do Terra para esclarecer algumas dúvidas no Stand que lá foi colocado.
Percebi que várias pessoas não entendiam o que o Terra estava fazendo lá visto que, na visão deles, o Terra não incentiva o uso do Software Livre nem tenta facilitar a vida dos usuários dos sistemas livres. Fato este percebido nitidamente no Terra TV, que ainda não suporta o sistema Linux.
Como muitos me perguntaram isto, e como vi alguns sites na Internet criticando, coloco abaixo as considerações sobre estes pontos:
Mais de 90% da infra-estrutura de back-end do Terra tem SL (software livre) como base.As equipes de tecnologia do Terra já apresentaram "bug-reports" e "patches" consistentes para melhorias dos sistemas Postfix, Wordpress, Squid, VFS, NFS, Kernel do Linux e módulos do Apache. Entretanto, foram feitas anonimamente, não citando o nome da empresa.U…

Como se tornar "Mayor" (Prefeito) no Foursquare

O Foursquare é uma rede social e microblogging que permite ao usuário indicar onde se encontra e procurar por contatos seus que estejam próximo desse local. O aspecto legal vem do fato de ser possível acumular distintivos (badges) relativos aos lugares específicos.
Outra coisa legais do Foursquare é a possibilidade de você se tornar "Mayor" (prefeito) de um lugar. Muitas empresas têm criado promoções para os prefeitos de suas lojas (a Starbucks, por exemplo, chega a oferecer descontos para os prefeitos). Entretanto, sempre tive dúvidas de saber como é a regra para se tornar Mayor de um lugar específico. Tinha uma idéia de como era, mas não tinha a explicação oficial.
O Foursquare colocou um post em seu blog explicando como isto é feito (original aqui). Basicamente a regra é a seguinte:


Para se tornar Mayor de um lugar, você precisa ter feito check-in neste lugar em mais dias do que qualquer outro usuário nos últimos dois meses (60 dias).
Apenas um check-in por dia conta, ou …

Por que apenas 140 caracteres no Twitter?

Li no Blue Bus um artigo de Julio Hungria que explica por quê as mensagens de texto são limitadas a 160 caracteres e por quê o Twitter usa 140.
Cultura inútil para que você possa colocar em uma conversa com amigos nerds em uma mesa de bar (sim, porque "os nerds também bebem").

Você já se perguntou por que as mensagens de SMS tem no máximo 160 caracteres (algumas até menos que isso) e por que o Twitter limita em 140?
O Los Angeles Times publicou uma matéria sobre o homem que determinou o limite de 160 caracteres e como foi que ele chegou a esse número.
Se você pensa que houve uma longa e profunda pesquisa envolvendo engenheiros, está errado. O responsável por estabelecer o máximo de 160 caracteres foi o alemãoFriedhelmHillebrand, que em meados dos anos 80 era chairman de um comitê de serviços de dados na Global System for Mobile Communications, um grupo que formava parâmetros para o mercado global de comunicação mobile.
Hillebrand sentou diante de uma máquina de escrever em sua ca…