Pular para o conteúdo principal

Sobre as palestras que vi no FISL 9.0

Um resumo bem resumido sobre as palestras que vi no FISL. Infelizmente não pude ir ao FISL no sábado pois fins-de-semana são dias para passar com a família, mas seguem abaixo as minhas impressões.


Desenvolvimento de Rich Internet Applications em Alto Desempenho para Web 2.0 com o GWT e Grizzly Comet
Por: Alexandre Gomes e Ted Goddard

Palestra muito boa, que apresentou o conceito de RIA de uma forma muito consistente.
Além disso, explicou como é possível realizar o RIA com o GWT, Grizzly Comet e o Icefaces.
Valeu pelo conceito. e pela explicação de como podemos realizar requisições para que o servidor avise o cliente de que algum evento ocorreu.
Apresentou os problemas da arquitetura e como pode ser solucionado através do Grizzly e Icefaces.

Enabling Real-Time Rich Internet Applications with Apache Derby & Comet
Por: Ted Goddard e Francois Orsini

Como um dos autores era o mesmo da palestra anterior, começou com uma repetição da teoria por traz de RIA que tinha sido explicada anteriormente.
Após, uma boa apresentação de como pode ser utilizado o Apache Derby para controlar o envio de dados para as aplicações mesmo em caso de perda de conexão do usuário com o servidor.
Classifico como interessante e, em termo de importância, coloco ela como número 3 das palestras que vi.

Migrando Aplicações .Net para plataformas livres com Mono
Por: Everaldo Canuto

Segunda melhor palestra que assisti no FISL. Conseguiu colocar as características do Mono em relação ao .Net, bem como os passos de uma migração de aplicação sem puxar para um lado ou para o outro.
O único palestrante que conseguiu confessar que existem coisas boas feitas pela Microsoft.
Na parte técnica, colocou bem o quanto o Mono está maduro para receber aplicações .Net, bem como alguns dos problemas que uma migração destas pode ter, como o problema da ADO do Oracle para Mono em retornos de cursor e como resolver o problema do uso do WinForms em aplicações desktop.

Large Scale PHP
Por: Rasmus Lerdorf
Resumo aqui

O criador do PHP fez a melhor palestra que eu assisti.
Passou um contra-argumento àqueles que dizem que o PHP é lento, deu várias dicas de como melhorar as aplicações, mostrou os problemas de segurança que os sites frequentemente possuem, explicou melhores práticas de desenvolvimento e muito mais.
Algumas das dicas vão contra o que muitos fazem para facilitar a vida do programador mas, como ele colocou, quanto mais coisas utilizamos para facilitar, mais complexas se tornam as nossas aplicações.

Duro de Errar 5.0 - Tratamento, Controle e Configuração de erros em PHP
Por: Marcélio Leal
Resumo aqui

Esperava um pouco mais desta palestra mas este é o problema de se criar expectativas. A palestra se resumiu a explicar configurações de erros, como utilizar as configurações para realizar track de erros e pouca coisa sobre como evitá-los durante a programação.

Entrando nos Trilhos: Uma Introdução a Ruby On Rails
Por: Fabricio de Souza Nascimento

Como não sabia direito o que era o Ruby On Rails, fui para a palestra com a esperança de que fosse mostrado o que ele pode fazer para melhorar as aplicações e que vantagens tem sobre outros Frameworks de desenvolvimento Web.
Entretanto, o Fabricio praticamente resumiu a sua palestra em como fazer um "Hello World melhorado" em Ruby On Rails e não falou muito da arquitetura do negócio.
Para mim a palestra foi pouco útil mas com certeza deve ter tido alguém que aproveitou.

Postagens mais visitadas deste blog

Sobre o Terra no FISL 9.0

Fui ao Fórum Internacional de Software Livre (FISL) entre os dias 17 e 19 deste mês como participante em algumas palestras e como funcionário do Terra para esclarecer algumas dúvidas no Stand que lá foi colocado.
Percebi que várias pessoas não entendiam o que o Terra estava fazendo lá visto que, na visão deles, o Terra não incentiva o uso do Software Livre nem tenta facilitar a vida dos usuários dos sistemas livres. Fato este percebido nitidamente no Terra TV, que ainda não suporta o sistema Linux.
Como muitos me perguntaram isto, e como vi alguns sites na Internet criticando, coloco abaixo as considerações sobre estes pontos:
Mais de 90% da infra-estrutura de back-end do Terra tem SL (software livre) como base.As equipes de tecnologia do Terra já apresentaram "bug-reports" e "patches" consistentes para melhorias dos sistemas Postfix, Wordpress, Squid, VFS, NFS, Kernel do Linux e módulos do Apache. Entretanto, foram feitas anonimamente, não citando o nome da empresa.U…

Como se tornar "Mayor" (Prefeito) no Foursquare

O Foursquare é uma rede social e microblogging que permite ao usuário indicar onde se encontra e procurar por contatos seus que estejam próximo desse local. O aspecto legal vem do fato de ser possível acumular distintivos (badges) relativos aos lugares específicos.
Outra coisa legais do Foursquare é a possibilidade de você se tornar "Mayor" (prefeito) de um lugar. Muitas empresas têm criado promoções para os prefeitos de suas lojas (a Starbucks, por exemplo, chega a oferecer descontos para os prefeitos). Entretanto, sempre tive dúvidas de saber como é a regra para se tornar Mayor de um lugar específico. Tinha uma idéia de como era, mas não tinha a explicação oficial.
O Foursquare colocou um post em seu blog explicando como isto é feito (original aqui). Basicamente a regra é a seguinte:


Para se tornar Mayor de um lugar, você precisa ter feito check-in neste lugar em mais dias do que qualquer outro usuário nos últimos dois meses (60 dias).
Apenas um check-in por dia conta, ou …

Por que apenas 140 caracteres no Twitter?

Li no Blue Bus um artigo de Julio Hungria que explica por quê as mensagens de texto são limitadas a 160 caracteres e por quê o Twitter usa 140.
Cultura inútil para que você possa colocar em uma conversa com amigos nerds em uma mesa de bar (sim, porque "os nerds também bebem").

Você já se perguntou por que as mensagens de SMS tem no máximo 160 caracteres (algumas até menos que isso) e por que o Twitter limita em 140?
O Los Angeles Times publicou uma matéria sobre o homem que determinou o limite de 160 caracteres e como foi que ele chegou a esse número.
Se você pensa que houve uma longa e profunda pesquisa envolvendo engenheiros, está errado. O responsável por estabelecer o máximo de 160 caracteres foi o alemãoFriedhelmHillebrand, que em meados dos anos 80 era chairman de um comitê de serviços de dados na Global System for Mobile Communications, um grupo que formava parâmetros para o mercado global de comunicação mobile.
Hillebrand sentou diante de uma máquina de escrever em sua ca…