Pular para o conteúdo principal

Sobre Lemmings e Trabalho

Sou um fã confesso do jogo Lemmings, um jogo onde necessitamos levar os personagens que caem de um alçapão até um portal. Para que eles cheguem ao portal, podemos dar-lhes tarefas (como cavar, construir plataformas, etc). Este jogo foi lançado em 1989 e hoje existe até uma versão feita em DHTML que pode ser jogada online aqui.
Existe uma singela relação entre este jogo e personagens que encontramos no nosso ambiente de trabalho. Abaixo listo a relação entre os Lemmings e um ambiente de trabalho:
  • Escalador: como aquele funcionário que quer subir na empresa, até mesmo a qualquer custo. Basta encontrar um lugar por onde possa escalar que já está indo.
  • Para-quedista: Entra nos assuntos de repente, mesmo sem saber onde pode estar se metendo.
  • Lemming-bomba: Basta encontrar uma dificuldade que acaba explodindo.
  • Lemming-barreira: Não deixa os outros Lemmings seguirem adiante. Acabam atrapalhando o trabalho dos outros.
  • Construtor de passarela: Se esforça para fazer com que os outros Lemmings consigam seguir adiante, baseados no trabalho anterior dele.
  • Escavador horizontal: Procura tirar as dificuldades da frente da equipe
  • Escavador vertical: Abre buracos para que, ou os Lemmings fiquem presos até que ele termine, ou acabem caindo.
  • Lemming da picareta: Usa todo o seu instrumento de trabalho para que os demais possam seguir o seu objetivo.
  • Jogador: o jogador é como o chefe, é ele quem comanda e diz o que cada Lemming deve fazer. Caso o jogador não peça para o Lemming fazer a coisa certa, no tempo certo, é ele quem perde o jogo. Ele pode fazer todo mundo parar, todo mundo andar mais rápido ou até mesmo, fazer todos os Lemmings explodirem.
O detalhe é que, a menos que todos os Lemmings saibam o que estão fazendo e, principalmente, o motivo pelo qual eles estão fazendo, o objetivo final do jogo não será alcançado.

Postagens mais visitadas deste blog

Sobre o Terra no FISL 9.0

Fui ao Fórum Internacional de Software Livre (FISL) entre os dias 17 e 19 deste mês como participante em algumas palestras e como funcionário do Terra para esclarecer algumas dúvidas no Stand que lá foi colocado. Percebi que várias pessoas não entendiam o que o Terra estava fazendo lá visto que, na visão deles, o Terra não incentiva o uso do Software Livre nem tenta facilitar a vida dos usuários dos sistemas livres. Fato este percebido nitidamente no Terra TV , que ainda não suporta o sistema Linux. Como muitos me perguntaram isto, e como vi alguns sites na Internet criticando, coloco abaixo as considerações sobre estes pontos: Mais de 90% da infra-estrutura de back-end do Terra tem SL (software livre) como base. As equipes de tecnologia do Terra já apresentaram "bug-reports" e "patches" consistentes para melhorias dos sistemas Postfix, Wordpress, Squid, VFS, NFS, Kernel do Linux e módulos do Apache. Entretanto, foram feitas anonimamente, não citando o nome da empre

Por que apenas 140 caracteres no Twitter?

Li no Blue Bus um artigo de Julio Hungria que explica por quê as mensagens de texto são limitadas a 160 caracteres e por quê o Twitter usa 140. Cultura inútil para que você possa colocar em uma conversa com amigos nerds em uma mesa de bar (sim, porque " os nerds também bebem "). Você já se perguntou por que as mensagens de SMS tem no máximo 160 caracteres (algumas até menos que isso) e por que o Twitter limita em 140? O Los Angeles Times publicou uma matéria sobre o homem que determinou o limite de 160 caracteres e como foi que ele chegou a esse número. Se você pensa que houve uma longa e profunda pesquisa envolvendo engenheiros, está errado. O responsável por estabelecer o máximo de 160 caracteres foi o alemão Friedhelm Hillebrand , que em meados dos anos 80 era chairman de um comitê de serviços de dados na Global System for Mobile Communications , um grupo que formava parâmetros para o mercado global de comunicação mobile. Hillebrand sentou diante de uma

Dez dicas para a festa de confraternização da empresa

Em época de festas de fim-de-ano, muitas empresas costumam fazer suas confraternizações. Assim, seguem 10 dicas de como tratar estas festas de empresas: 1) Não vá 2) Resolveu encarar? Lembre-se: você tem todo o direito de enfiar os dois pés na jaca, beber até virar uma bailarina russa e vomitar aos litros. Mas, na frente do seu chefe e do dono da empresa, não pega bem. 3) Você não vai conquistar a estagiária ensopado de suor, pendurado no lustre e mostrando a bunda. 4) Com 'mé' de graça, a bebedeira não tem limite. Mas seu fígado tem. 5) Não tente se vingar do big boss nesse momento de confraternização - dando uma rasteira no sujeito enquanto ele dança enlouquecido na pista, por exemplo. Sempre há testemunhas. 6) O mesmo vale para quem se aproveita da ausência do cônjuge e resolve mudar de cardápio: isso nunca ficará apenas entre vocês dois, três, quatro... 7) Não é todo mundo que bebe. E são os sóbrios que contarão para a empresa inteira os micos que você pagou