quinta-feira, 30 de outubro de 2008

A importância do Prazo



Estava pensando sobre o quanto é importante colocarmos prazos nos objetivos que temos.
Colocar uma data-limite para um objetivo ou tarefa força a pessoa a tentar cumprir esta data e, por consequência, cumprir o objetivo proposto.
Devemos colocar prazos para:
  • cumprirmos uma tarefa,
  • terminarmos um projeto,
  • juntar um dinheiro,
  • comprar uma casa,
  • ter um filho,
  • comprar um carro,
  • fazer uma viagem,
  • entregar o trabalho da faculdade,
  • construir/comprar a casa própria,
  • tudo que tivermos de fazer durante a nossa vida
Em algumas vezes, o cumprimento do prazo não depende apenas de nós. Nestes casos, devemos fazer com que as outras pessoas possam ajudá-lo a alcançar o objetivo, de modo que não comprometa os prazos pessoais deles.
Outras vezes, não somos nós quem determinamos os nossos prazos. Quando isto acontece, a negociação entre o prazo desejado pela outra pessoa e o nosso prazo deve ser realizada.
E, no pior caso, você depende do prazo que uma outra pessoa deve te dar e não o faz. Meu conselho, neste caso, é não priorizar o objetivo da outra pessoa frente aos teus próprios objetivos.

Questão de prazo e prioridade!

segunda-feira, 27 de outubro de 2008

Música de Segunda - Colbie Caillat - Bubbly



Começando a sessão: "Música de Segunda".

Colbie Caillat, Bubbly




Composição: Colbie Caillat / Jason Reeves

Will you count me in?

I've been awake for a while now
you've got me feelin like a child now
cause every time I see your bubbly face
I get the tingles in a silly place

It starts in my toes
and I crinkle my nose
wherever it goes I always know
that you make me smile
please stay for a while now
just take your time
wherever you go

The rain is falling on my window pane
but we are hiding in a safer place
under covers staying safe and warm
you give me feelings that I adore

It start in my toes
make me crinkle my nose
wherever it goes
I always know
that you make me smile
please stay for a while now
just take your time
wherever you go

What am I gonna say,
when you make me feel this way?
I just........mmmmmmmmmmm

and It starts in my toes
makes me crinkle my nose
wherever it goes
I always know
that you make me smile
please stay for a while now
just take your time
wherever you go

I've been asleep for a while now
You tucked me in just like a child now
'Cause every time you hold me in your arms
I'm comfortable enough to feel your warmth

It starts in my soul
And I lose all control
When you kiss my nose
The feeling shows
'Cause you make me smile
Baby just take your time now
Holding me tight...

Wherever, wherever, wherever you go
Wherever, wherever, wherever you go
Wherever you go, always know

'Cause you make me smile
Even just for a while..

quinta-feira, 23 de outubro de 2008

A Dualidade Gaúcha



O Rio Grande do Sul é um Estado onde o pricípio da dualidade (ou dualismo) reina absoluto.
Dualidade é "o sistema filosófico ou doutrina que admite, como explicação primeira do mundo e da vida, a existência de dois princípios, de duas substâncias ou duas realidades irredutíveis entre si, inconciliáveis, incapazes de síntese final ou de recíproca subordinação."
E não existe um local onde isto seja mais visível que no Rio Grande do Sul.
Neste Estado, as pessoas "devem" ter opinião! Ninguém pode ficar alheio sobre qualquer assunto e, na maioria das vezes, tu pode ser apenas "contra" ou "a favor".
Podemos citar vários exemplos desta dualidade, onde os gaúchos tem de realizar escolhas sobre:
  • Futebol: Grêmio ou inter, Pelotas ou Brasil, Juventude ou Caxias
  • Jornal: Zero-Hora ou Correio do Povo
  • Política: PT ou anti-PT
  • Gramado ou Canela
  • Caxias ou Bento
  • Pelotas ou Rio Grande
  • Maragatos ou Ximangos
  • Farroupilhas ou Federalistas
  • Laçador ou Pôr-do-Sol
Além disso, os defensores de cada uma das opiniões são capazes de realizar discussões homéricas para defender a sua posição, principalmente quando tentam converncer um adversário. Mas, fazer uma pessoa trocas de opinião é impossível, pois gaúchos dificilmente trocam de opinião.
Esta dualidade não chega a ser sempre ruim, pois meio que força as pessoas a se posicionarem sobre qualquer assunto e, para conseguirem ter uma opinião, precisam muitas vezes estudar sobre as duas possibilidades, tornando-as mais cultas.
Com esta dualidade, veio também o lado oposicionista do gaúcho. Gaúcho nunca está satisfeito. Algumas provas:
  • Lula sempre ganhou as eleições no RS, menos quando ele tentou se reeleger
  • Nenhum prefeito foi reeleito em Porto Alegre (talvez Fogaça seja o primeiro)
  • O governador do Estado, na grande maioria das vezes, é de um partido de oposição ao governo federal
  • Tudo que é feito no RS é melhor do que é feito em qualquer outro lugar na Terra.
Isto cria uma identidade cultural única, que faz com que os gaúchos achem que são o melhor povo da terra.
E eu, como gaúcho, também acho isto!

quarta-feira, 15 de outubro de 2008

Professores Gestores



O meu primeiro emprego (tirando estágio) foi como instrutor em uma escola de informática. Após isto, entrei no mercado profissional e só voltei a ser professor em 2005 (como segundo emprego). Depois de uma parada ano passado, voltei ao mundo acadêmico este ano. No final, são apenas 4 anos como professor, mas o suficiente para poder descobrir o quanto um professor deve ser um gestor na sala de aula.
Em uma pesquisa rápida, descobri na Revista Profissão Mestre as características de um Professor-Gestor. Se alterares as palavras "alunos" por "funcionários", "turma" por "equipe" e "escola" por "empresa", verás que não muda muita coisa:
  • Constrói uma imagem positiva de si mesmo, dos alunos e da escola
  • É co-responsável pela captação e fidelização de alunos (novos talentos)
  • Busca atualização em diversas áreas, constantemente
  • Planeja suas ações prevendo as suas conseqüências
  • É pró-ativo
  • Comunica-se bem, mantém todos bem informados sobre o seu trabalho
  • Mantém contato com ex-alunos e outras pessoas interessantes para a escola
  • Estimula e utiliza as tecnologias disponíveis na escola
  • Envolve pais (diretores), alunos e outros professores com os seus projetos para a escola
  • Estabelece com os alunos metas de curto, médio e longo prazo e cria instrumentos para acompanhamento
  • Compreende o ambiente escolar e o cenário interno e externo
  • É participativo e comprometido com a escola e seus alunos
Além disso, no ambiente de sala-de-aula:
  • Contextualiza o ensino
  • Gerencia o tempo e os processos
  • Possui uma postura inter-disciplinar, ou seja, trabalha pautado na realidade e na sociedade que temos
  • Adota metodologia de pesquisa e separa a idéia de competência de conteúdos
  • Promove o trabalho em grupo e com projetos
  • Não traz para os alunos respostas para as perguntas que eles não fizeram e sim formula com eles novas perguntas, incentivando novas descobertas
  • Valoriza os alunos. Sabe que até os "com mais dificuldades" têm características positivas que podem suscitar o recebimento de elogios que melhoram a sua auto-estima
  • Promove a colaboração. Sabe que não é detentor único do saber
  • Reconhece nos conflitos uma oportunidade para o crescimento e amadurecimento da turma
  • Utiliza os meios burocráticos e tradicionais de ensino para facilitar, não para constranger.
Claro que nem todos os professores têm estas características, assim como nem todos os gestores as têm. Entretanto, é necessário buscá-las sempre, para um melhor desempenho da turma e da empresa.

Feliz Dia do Professor!

Sobre Metas e Avaliações de Desempenho



Conversava hoje com um amigo sobre definição de metas e objetivos para empregados.
Comentávamos que muitas empresas definem os objetivos do empregado de uma forma muito errada:
  • Não-mensuráveis: sem uma forma prática de medir o quanto da meta foi atingida
  • Sem prazos: metas que não tem prazo a ser cumprido ou, o que é pior, com um prazo errado
  • Não-funcionais: objetivos sem nenhuma outra função que não seja preencher uma avaliação de desempenho
Sobre este último ponto, vale destacar o que acontece na empresa deste meu amigo.
As metas são semestrais ou anuais. O chefe dele se reune com ele no final de cada avaliação, para que lhe seja dado um feedback sobre o trabalho realizado para cumprir (ou não) cada um dos objetivos propostos.
Além dessa reunião, o chefe dele costuma se reunir a cada 3 meses para verificar o andamento das metas, para que o funcionário saiba se está no caminho certo para atingir o objetivo ou, ainda, dar um puxão-de-orelha para que o objetivo final acabe sendo cumprido.

Comecei a pensar que, quando os gestores tomam este tipo de iniciativa, os funcionários acabam tendo mais motivação, mais respeito pelo seu superior e, ainda, maior noção do que o chefe acha do seu trabalho.
Como já escrevi aqui algumas vezes, um dos principais desafio dos gestores é motivar a sua equipe, e creio que um dos principais pontos para conseguir isto é o diálogo entre o superior e os seus subordinados. Conversas informais ajudam, mas uma conversa formal a cada 3 meses (no máximo), é simplesmente FUNDAMENTAL. Projetos, tarefas, reuniões ou falta de feedback de um superior não é desculpa para que um gestor possa desempenhar esta tarefa, ele não pode esquecer que ele é a cabeça de uma equipe, e corpos-sem-cabeça tendem a ir para rumos diferentes do desejado.
Além disso, uma reunião de feedback não serve apenas para o funcionário, serve também para que o gestor saiba o que os seus comandados acham do trabalho e do comando que ele está realizando.

terça-feira, 7 de outubro de 2008

Ladrões utilizam nosso Santo Nome em vão



Notícia no G1:
Ladrões invadiram uma agência bancária em Três Lagoas (MS) e levaram cerca de R$ 160 mil.
Foram corajosos, levaram tudo apenas usando marreta, pé-de-cabra e chaves-de-fenda.
Entretanto, deixaram o bilhete abaixo:


"Cem arma, cem drogas, cem violência. Agradecemos a preferencia e acima de tudo nossa percistencia. É Nóis".

Apenas para esclarecer, não foi Nois quem realizou este assalto.

domingo, 5 de outubro de 2008

Coisas que acontecem em uma eleição



Após participar como mesário nas eleições 2008, seguem algumas coisas curiosas que vi:
  • O clássico tiozinho que chega tão bêbado que não consegue escrever a assinatura. Nessa hora, manda colocar o dedão na almofada de carimbo e vai assim mesmo!
  • A vó que levou a neta e, enquanto a vó estava tentando lembrar o número do vereador (olhando na lista da seção), a neta resolveu apertar a tecla "Confirma" da urna-eletrônica!
  • Eleitora tentando tirar foto da urna eletrônica com o celular. Peguei o celular dela e apaguei a foto, se bem que ela tirou a foto tão tremida que não dava para ver nada!
  • Candidato que entra na seção com um monte de gente, tentando tirar foto e fazendo bagunça na seção. Coloca todo mundo para fora e acaba com a bagunça que trabalhar no domingo é brabo!
  • Briga de fiscais para ver quem pega o boletim de urna primeiro. Por mim, eles que se matem!
  • Um monte de candidato apertando a tua mão! Lavei bem as mãos após cada um deles!
  • Fiscais brigando porque o outro fiscal cumprimentou um amigo, achando que ele tava fazendo boca-de-urna.
Por estas e outras que acho bem legal ser mesário nas eleições. Além de tudo isto:
  • Dá para ver amigos que não se via há muito tempo
  • Fazer amigos novos
  • Conversar (e aprender) sobre política com gente que vive para isto
  • Ver o esforço que alguns eleitores fazem para votar, apesar de nem sempre os candidatos merecerem
Tá interessado? Clica aqui e espere 2 anos para ser chamado!