sexta-feira, 6 de fevereiro de 2009

Diário de San Francisco (II) - Viagem de ida e primeiras impressões



Viagem bem tranquila. O vôo de Porto Alegre para São Paulo saiu com 5 minutos de antecedência e chegou em São Paulo quase meia-hora antes do previsto.
Ao chegar, fui direto para o balcão da American Airlines para o Check-in. Tudo em ordem, fui jantar sossegado e sem stress, indo para a o portão de embarque.
O segundo vôo era de São Paulo à Dallas. Por Deus, que coisa mais demorada! 10h dentro de um avião, definitivamente, é um saco! A vantagem é que o avião estava praticamente vazio. Assim, fiquei sozinho em uma fileira do meio do avião e, quando o sono bateu, me estiquei em 4 poltronas para dormir sossegado.
A sacanagem é ficar olhando para o mapa que mostra onde o avião está. Parece que demora 1 ano para cruzar a Amazônia ou o Golfo do México. Mas chegamos 10 minutos antes do previsto e, assim, tive de esperar 5 minutos antes de sair do vôo, pois a alfândega americana só abre às 06h. Na alfândega, passei por pelo menos umas 10 perguntas sobre o que eu ia fazer aqui feitas por uma velha que parece uma enfermeira alemã. Ela me pareceu um pouco desconfiada, mas me deixou passar.
O aeroporto de Dallas merece um parágrafo à parte. Não vi ainda um aeroporto maior (apesar de saber que existem), limpo, organizado, com trenzinho para ir de um terminal à outro. Acho que poderia ter um wifi legal, apesar de ter uns "totens" que permitem acesso à internet grátis e possibilidade de carregar o celular.
Durante a viagem entre Dallas e San Francisco, pude observar a diferença de clima aqui nos Estados Unidos. Vi desertos, campos e montanhas com neve. Apesar de notar também a pouca quantidade de árvores neste trajeto.
Já em San Francisco, o trajeto entre o aeroporto e o hotel foi bem tranquilo. O quarto do hotel é muito bom, com uma TV de 42 polegadas FullHD.
O pessoal da empresa parceira com a qual estamos trabalhando é bem legal. Vale destacar a possibilidade de pegar guloseimas a qualquer hora.
Saí junto com os colegas (um belga e um argentino) à noite para dar uma volta pelo centro da cidade. a cidade é hospitaleira e o povo realmente é bem simpático. Existem algumas peculiaridades que explicarei nos próximos posts.
Resumindo, parece que poderei aproveitar bastante tanto a experiência de trabalhar em parceria com uma empresa estrangeira dentro desta empresa como os passeios que com certeza farei por aqui.
Postar um comentário