segunda-feira, 18 de agosto de 2008

Nepotismo em Empresas Privadas



Pedindo uma ajuda ao Dicionário, o termo nepotismo significa: "autoridade que os sobrinhos e outros parentes de certos papas exerciam na administração eclesiástica". Na real, os papas empregavam seus parentes no Vaticano, e estes acabavam por exercer uma certa "influência" junto à Santidade. Com isto, ganhavam um certo poder.
Entretanto, nos nossos dias, nepotismo significa simplesmente "empregar parentes na empresa onde trabalha". Isto fica muito escancarado nos serviços públicos, onde cargos de confiança, ao invés de serem preenchidos por funcionários concursados e capacitados, são preenchidos por parentes de deputados (ou senadores, ou governadores, ou presidentes, etc.) mesmo sem ter uma qualificação necessária para os mesmos, apenas para um "cabide de emprego" para os familiares.
Entretanto, casos de nepotismo são frequentes em empresas privadas. Notamos isto quando uma família inteira está a frente de uma organização (como os Sirotzki no Grupo RBS, os Marinho na Rede Globo ou os Johanpetter na Gerdau). Os diretores dão preferência aos seus parentes nos cargos de gerência, principalmente para não perder o controle da empresa.
Então, qual é o problema de contratar um parente para uma empresa?
Na realidade, nenhum! Entretanto, o parente deve ter uma qualificação necessária para o cargo que ele vai ocupar. Além disso, deve ficar muito claro que, caso ele não desempenhe bem a sua função, ele poderá ser demitido como qualquer funcionário.
O que não é certo é quando o parente é contratado mesmo sem saber direito a função, apenas para poder "dar uma força" para que ele possa ter um emprego. Neste caso, pode-se criar situações ruins tanto com os colegas do parente contratado, como com o parente que o contratou, visto que uma demissão poderia causar problemas com o resto da família.
Logo, muitas empresas privadas mantém uma política de não contratar parentes dos funcionários. Há algum tempo, fiz uma entrevista na empresa onde o meu irmão trabalha (via currículo enviado a partir de um anúncio) e recebi uma ligação do RH perguntando o parentesco com o meu irmão e me explicando a política da empresa, a qual respeitei sem problemas.
Assim, sempre é bom termos cuidado ao indicarmos parentes para cargos nas empresas privadas que trabalhamos. Seja o seu irmão, pai, filho, ou até mesmo cunhados e maridos das primas!
Postar um comentário