sexta-feira, 30 de maio de 2008

Sobre a Inveja



Inveja, s.f., do Lat. invidia, misto de pena e de raiva; sentimento de desgosto pela prosperidade ou alegria de outrem; desejo de possuir aquilo que os outros possuem; ciúme; emulação, cobiça.

O sentimento de inveja é um dos mais comuns do ser humano. Embora poucos admitam, todos nós somos invejosos por natureza.
Isto acontece porque não nos contentamos em ser nós mesmos e sempre estamos mirando algum exemplo a ser seguido.

Vamos citar dois exemplos:
  • Uma pessoa quer ser gerente. Ela vê no seu atual gerente todas as boas qualidades que ele tem: espírito de liderança, experiência, atenção com seus subordinados, entre outras características. A pessoa luta, tenta superar seus defeitos e tenta adquirir as mesmas qualidades que o seu gerente para que, caso um dia a vaga de gerente esteja disponível, esta pessoa possa ser uma das candidatas à vaga.
  • Uma pessoa quer ser gerente. Ao invés de ver as qualidades do seu atual gerente, ela tenta desmoralizar o atual enfatizando os defeitos dele e enaltecendo as suas próprias qualidades contra estes defeitos. Ao invés de estudar para ser um bom gerente, ela tenta conseguir o cargo tentando fazer com que a pessoa que assumiu seja demitida ou desqualificada da função.
Na minha opinião, os dois casos podem ser enquadrados como inveja, mas em contextos diferentes.
O primeiro exemplo utiliza a definição "desejo de possuir aquilo que os outros possuem", mas faz isto de uma forma que faça por merecer (trabalhando, lutando para conseguir), de uma maneira ética.
Já o segundo utiliza a definição "sentimento de desgosto pela prosperidade ou alegria de outrem", onde faz de tudo para conseguir o que o outro tem, inclusive de uma maneira não-ética.

Acho que todos devem ser invejosos, mas temos de ter discernimento para termos a "inveja boa" ao invés da "inveja ruim". Devemos lutar para sermos iguais ao exemplo que devemos seguir, tentando conseguir a capacitação necessária para chegar aos objetivos traçados.
Postar um comentário